Investigación · 10 Agosto 2020

Modelos de intervenção para lares de idosos (III): The Green House Project

À primeira vista, pode parecer difícil encontrar um modelo de residência de idosos equilibrado: seguro sem ser aborrecido, atento aos desejos dos residentes sem ser anárquico, conforme às regras sem ser restritivo, ativo sem ser stressante. No entanto, demonstrei em posts anteriores que algumas iniciativas americanas, como The Eden Alternative (TEA) e The Pioneer Network (TPN), encontraram a chave para tornar os lares verdadeiros lares, comunidades autênticas capazes de garantir tanto a qualidade de vida como a qualidade dos cuidados para os idosos. O truque é fornecer formação adequada às famílias e ao pessoal dos centros, bem como aos próprios interessados, para promover uma mudança cultural destinada a construir relações significativas baseadas na igualdade, no empowerment dos idosos e no respeito mútuo entre as partes. A escuta e a colaboração provaram ser os pilares essenciais para assegurar que as residências são lugares onde vale a pena viver e onde a solidão, o desamparo e o tédio são banidos. 

Esta visita a alguns dos projetos que tornam possível esta mudança de mentalidade em relação ao que deveria aspirar a ser o local de residência dos idosos termina com a apresentação do The Green House Project (TGHP), que se centra numa modificação arquitectónica radical do ambiente residencial. Fundada pelo criador da TEA, Dr. Bill Thomas, em 2001, a ideia do TGHP é basicamente facilitar a vida aos idosos dependentes que necessitam de cuidados permanentes, em vez de viver numa instituição, em casas reais, no sentido mais literal! 

Em 2003, foi construído um bairro de pequenas casas em Tupelo, Mississippi, a fim de alojar pessoas que se encontravam numa situação de dependência constante, evitando o seu internamento em centros tradicionais incapazes de garantir um envelhecimento digno. Em poucos anos, este programa foi replicado em todos os Estados Unidos, atingindo 27 estados com mais de 170 complexos habitacionais que acomodam mais de 2.000 pessoas idosas com diferentes graus de deficiência. Tratava-se de dizer adeus aos longos corredores, enfermarias e filas de quartos individuais e partilhados para escapar à imagem do hospital. Bem-vindo a casa!

TGHP não se preocupa apenas em encorajar a mudança cultural necessária na forma como vemos e cuidamos dos idosos ou com a formação do pessoal que presta cuidados. O que este projeto fez foi materializar a sua filosofia ao extremo, criando complexos residenciais constituídos por uma série de aproximadamente 10-12 quartos com casas de banho privadas que asseguram privacidade e áreas de estar que incluem a cozinha aberta e a sala de jantar, salas de estar e jardins onde os idosos podem socializar uns com os outros e com outras pessoas.

Não há enfermeiros, mas prestadores de cuidados que desempenham as mesmas funções que numa residência normal, mas estão em contato constante e direto com os idosos, aumentando os cuidados em 22% em relação ao modelo tradicional de lar. Na realidade, os prestadores de cuidados são facilitadores que ajudam a melhorar as competências e o valor de cada pessoa. Vivem com eles em turnos de duas pessoas de manhã e à tarde e uma à noite, assegurando que as necessidades de cuidados e bem-estar dos idosos são satisfeitas 24 horas por dia. 

Os mais velhos são os patrões; eles decidem quanto tempo passam a fazer o quê. Por exemplo, se eles quiserem passar duas horas a jantar, podem fazê-lo perfeitamente. Se quiserem ir para a cama tarde, não têm de se preocupar em estar cansados no dia seguinte ao pequeno-almoço, porque decidem quando o terão. Organizam como decorar a casa e podem manter os seus pertences e os seus animais de estimação com eles. Podem ajudar na lavandaria, cozinhar (e partilhar com os cozinheiros as receitas que estiveram com eles toda a vida), praticar desporto, receber visitas de pessoas do bairro e crianças que vão fazer atividades, organizar sessões de canto, trabalhar com os computadores, tocar instrumentos e ensinar outros a tocá-los... tudo o que possam pensar está ao seu alcance. É claro que está longe do modelo institucional em que os residentes estão sentados à mesa, esperam que a sua comida seja servida e adormecem porque ninguém lhes presta atenção. Na TGHP, os idosos fazem tudo o que podem fazer por si próprios. 

Este modelo de cuidados na velhice é verdadeiramente revolucionário. Quando o projeto-piloto começou, os residentes que se mudaram das instituições em que viviam para Green Houses foram subitamente integrados numa comunidade onde podiam relacionar-se naturalmente com outras pessoas de qualquer idade, e envolver-se nas preocupações, tomada de decisões e atividades do bairro em que se mudaram. Ao ver os vídeos promocionais desta iniciativa, é impossível não se comover pela forma como os residentes dizem sentir-se finalmente livres, num lugar onde vão viver, não morrer, e onde notam que continuam a crescer e a desenvolver os seus talentos. Muitos contam como os seus apetites foram reavivados e ganharam peso e até reconquistaram o hábito perdido de comer sozinhos. Aqueles que preferiram isolar-se em residências tradicionais por medo de acabar a discutir com os prestadores de cuidados por falta de adaptação às regras estritas, tornaram-se mais faladores e recuperaram o desejo de se relacionarem. Aqueles que já não saíam da cama, receberam a cadeira de rodas de volta para fazer coisas; aqueles que se encontravam em cadeiras de rodas livraram-se dela. 

As vantagens deste modelo de habitação comunitária para seniores estendem-se também às suas famílias. Para muitos, ter de visitar os seus pais e avós na residência tradicional era pouco mais do que uma obrigação; por vezes até uma tortura emocional. Evitavam ter de o fazer porque deixavam a instalação deprimidos. Nas Green Houses, os parentes sentem o calor do ambiente e ficam tranquilos porque compreendem que os mais velhos estão em boas mãos. É emocionante ver como aqueles que pensavam que nunca seriam capazes de colocar os seus pais num lar reconhecem que a vida nas Green Houses tem muito mais benefícios do que a casa em que habitualmente residem. Mesmo para as comunidades em que estes complexos habitacionais estão integrados, o enriquecimento é indescritível, tornando possível aos mais jovens aprender diretamente sobre a importância de cuidar e respeitar os idosos, ajudando-os a alcançar um envelhecimento digno. 

Mas nem tudo é idílico. Os promotores desta iniciativa reconhecem que para muitas pessoas idosas já foi demasiado tarde porque não foram tomadas as medidas necessárias para lhes permitir beneficiar-se de tal sistema. Os próprios membros da família queixam-se de não terem confiado nas vantagens deste modelo, pensando erroneamente que os custos seriam muito mais elevados do que os envolvidos nos modelos tradicionais. Felizmente, este provou não ser o caso. Robert Wood Johnson, chefe da fundação que leva o seu nome e que tornou possível em termos de financiamento a materialização deste projeto, explica que é tão simples levar a cabo a ideia do TGHP que não se compreende porque é que as políticas do governo dos EUA não estão a apostar nele: "não tem sentido não o fazer, e não o fazer o mais rapidamente possível", diz ele. 

Se é economicamente sustentável, se os residentes sorriem novamente e descrevem as Green Houses como "o paraíso na terra", o que impede os padrões tradicionais de residência de darem lugar à inovação? Talvez um olhar sobre a paisagem espanhola, que ainda está longe destas abordagens, nos dê a resposta: também nós acabaremos por lamentar, com o tempo, que não tenhamos fornecido os meios mais cedo para tornar possível o paraíso terrestre? No próximo post mostrarei onde estamos agora com respeito à mudança cultural que está a começar a expandir-se globalmente. É tempo de falar de Espanha. 

Compartir 
No âmbito de: Programa Operativo Cooperación Transfronteriza España-Portugal
Instituições promotoras: Fundación General de la Universidad de Salamanca Fundación del Consejo Superior de Investigaciones Científicas Direção Geral da Saúde - Portugal Universidad del Algarve - Portugal