· 11 Abril 2018
·
Auditorio de la Hospedería Fonseca, Salamanca

Conversas em Salamanca: Juan Carlos Izpisua Belmonte

Introdução 

Conversas em Salamanca: Compreendendo o envelhecimento

Se uma matéria, uma temática, é importante para a sociedade, a sua análise deve ser compartilhada e a sua compreensão encorajada por toda a população, a fim de fortalecer e legitimar todos os esforços que devem ser feitos na procura das respostas mais adequadas.

Portanto, unir o conhecimento daqueles cientistas que estão na vanguarda da pesquisa e compartilhar reflexões, perguntas e respostas com eles é, sem dúvida, um compromisso prioritário para o Centro Internacional sobre o Envelhecimento (CENIE).

No CENIE estamos interessados ​​no envelhecimento da população em todos os seus aspetos, sabendo que estamos diante de um fenómeno universal, porque a maneira pela qual a passagem do tempo afeta as diferentes capacidades das pessoas é semelhante em diferentes culturas; é um processo que, na sua concepção mais primária, passa pelos mesmos estágios, que podem ser mais ou menos prolongados no tempo.

São as pessoas que trabalham nesses campos e procuram respostas positivas para o benefício da sociedade que protagonizam "Conversas em Salamanca: compreendendo o envelhecimento", são cientistas relevantes, cuja dedicação e perseverança exigem o reconhecimento e apoio da sociedade, são pessoas excepcionais que pertence ao grupo que define a seguinte declaração:

"O sucesso vem sempre precedido, de preocupar-se mais do que o que os outros consideram sábio, para assumir mais riscos do que os outros acham que é seguro, sonhar mais do que os outros acham que é prático, esperar mais do que os outros assumem que é possível, e esforçar-se mais do que os outros consideram necessário ".

Esta atividade faz parte do Programa de Cooperação Interreg V-A, Espanha-Portugal (POCTEP), 2014-2020, financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) da União Europeia.

Juan Carlos Izpisua Belmonte

Diretor do Laboratorio de Expressão Génica Cátedra Roger Guillemin

Nasceu no dia 16 de dezembro em Hellín, em  Espanha. Bacharel em Farmácia, Universidade de Valência. Doutorado pela Universidade de Bolonha, (Itália) e pela Universidade de Valência. Doutor convidado na Universidade de Marburg (Alemanha), Laboratório Europeu de Biologia Molecular (EMBL) de Heidelberg (Alemanha), University College London e da Universidade de Oxford (Inglaterra) e da Universidade da Califórnia, Los Angeles (Estados Unidos).Foi diretor do Centro de Medicina Regenerativa em Barcelona. Atualmente,  trabalha no Instituto Salk, La Jolla, (Estados Unidos) e na Universidade da Califórnia em San Diego, (Estados Unidos).

É um importante catalisador numa das áreas mais promissoras da biomedicina: a medicina regenerativa. O seu trabalho está a ajudar a descobrir novas moléculas e tratamentos genéticos / celulares específicos para prevenir e curar doenças que afetam a humanidade tanto em estágios adultos como embrionários.

As suas observações foram fundamentais para elucidar as bases celulares e moleculares da regeneração de tecidos / órgãos. Os seus primeiros trabalhos foram cruciais para entender os princípios genéticos e celulares fundamentais que governam o desenvolvimento de vertebrados e a regeneração de órgãos e tecidos. Formaram a base a partir da qual construiu descobertas conceituais e novas metodologias para a medicina regenerativa, que incluem:

  • Descobertas seminais para compreender a base molecular subjacente à reprogramação de células somáticas.
  • Novas metodologias para a diferenciação de células humanas em vários tipos de células e organoides, como o rim.
  • Prova de conceito de que a tecnologia iPSC pode ser usada para a geração de células específicas de pacientes com doença corrigida com valor potencial para terapia celular.
  • Desenvolvimento de tecnologias que permitem a diferenciação de células humanas dentro de embriões de diferentes espécies. Estes resultados podem permitir a regeneração de tecidos e órgãos humanos.
  • Desenvolvimento de novos modelos de células mãe humanas envelhecidas e doenças associadas ao envelhecimento e descoberta de novos motores do envelhecimento.
  • Novas tecnologias genéticas e epigenéticas para tratar e prevenir a transmissão de doenças originadas no ADN mitocondrial e nuclear.

Recebeu vários prémios e honras em reconhecimento ao seu trabalho profissional.

Xavier Sardà

Jornalista

Xavier Sardà é formado em Ciências da Informação pela Universidade Autónoma de Barcelona. Depois de começar como colunista de música em vários jornais como Catalunya Express, Avui, El Noticiero Universal ou World Journal, com 19 anos,  ganhou uma bolsa de estudos na Rádio Nacional de Espanha, em Barcelona. Lá criou o personagem do Sr. Casamajor, o avô às vezes rabugento, mas com uma grande sabedoria que desempenhava o papel de ouvinte de Ràdio 4. Em RNE, realizou vários trabalhos antes de ser nomeado chefe de programação da Rádio Nacional na Catalunha em 1989.

Nessa estação estreou-se em 1984 como colaborador no programa Midnight Train, dirigido por José Miralles e apresentado por Jorge López Pedrol. Liderou, de 1987 a 1991, o programa The hinge. Em 1992, o Sr. Casamajor e ele se juntaram-se à SER para colaborar no programa Hoy por Hoy com Iñaki Gabilondo. Um ano depois, assinou com a emissora e juntos apresentaram, entre 1993 e 1997 o programa La Ventana.

Enquanto isso, começou a trabalhar na televisão, apresentando os programas Juego de niños (TVE, 1990), Olé tus vídeos 2 (FORTA, 1992-1993), Betes i films (TV3), Tot per l’audiència (TV3), Sembla mentida (TV3), Todos somos humanos (Antena 3, 1996) e Moros y cristianos (Telecinco, 1997). De 1997 a 2005, dirigiu o programa Crónicas Marcianas, transmitido pela Telecinco. Após o final do programa Crónicas Marcianas retirou-se voluntariamente da televisão, regressando em Maio de 2007 com o programa de Viagens Dutifrí, também na Telecinco.

Depois de renovar o seu contrato com a cadeia por três anos, no início de 2008, colaborou no concurso Tú sí que Vales, como um júri, embora o tenha deixado para concentrar-se na segunda temporada de Dutifrí emitido entre abril e julho daquele ano.

Em abril de 2009, o programa Tribu estreou na Telecinco. Um ano depois, em junho de 2010,  estreou o espaço Infiltrados no mesmo canal.

Em setembro de 2010, ingressou no programa de rádio Julia em Onda Cero com o seu espaço "El Gabinete".

Depois de vários anos de ausência, retornou à televisão na Antena 3, para um programa de entrevistas chamado ¡Perdone !, estreado em abril de 2012.

Em setembro de 2013, retornou à Telecinco, como colaborador no programa de Jordi González, no "El gran debate".

Atualmente colabora no programa Al rojo vivo de La Sexta dirigido por Antonio García Ferreras.

Programa 
11:00 – 11:30 Registro
11:30 – 11:40

Abertura
Óscar González Benito. Diretor-Gerente da Fundación General de la Universidad de Salamanca

11:45 – 12:00

Introdução

Xavier Sardà. Jornalista

12:00 -12:45

Conferência

Juan Carlos Izpisúa Belmonte. Diretor do Laboratório de Expressao Génica Cátedra Roger Guillemin. Salk Institute for Biological Studies

"Abordagens Celulares, Genéticas e Epigenéticas para um envelhecimento saudável”

12:45 - 13:15 Diálogo aberto

Para poder participar, deve registrar-se enviando um email a: inscripciones@cenie.eu

Compartir 
No âmbito de: Programa Operativo Cooperación Transfronteriza España-Portugal
Instituições promotoras: Fundación General de la Universidad de Salamanca Fundación del Consejo Superior de Investigaciones Científicas Direção Geral da Saúde - Portugal Universidad del Algarve - Portugal